Aniversário do título de 98 : 20 anos de pragmatismo

Posted on Jul 12, 2018

Há exatos 20 anos a França conquistava seu 1° título em Copa do Mundo. Uma conquista chegando após as ausências doloridas nas copas de 1990 e 1994, uma verdadeira travessia do deserto para o futebol francês.

Hoje a França chega a sua 3a final de mundial em 20 anos (1998, 2006, 2018). Além disso foram 2 finais da Euro e 1 título (2000). E com a França sempre se classificando para essas duas grandes competições.

Mas nem sempre foi lindo e maravilhoso. Lembramos da eliminação surpresa em 2002 sem sequer marcar um gol. Mas sobretudo do vexame de 2010. Primeiro a forma de chegar a África do Sul (a mão de Henry) não foi das mais honrosas. Mas o maior papelão aconteceu quando os jogadores armaram uma greve no meio da competição. Essa imagem de um bando de milionários se recusando a descer do ônibus para treinar causou um prejuízo imenso ao futebol no país.

A Federação e os principais atores do futebol nacional fizeram um exame de consciência, profundo e sincero. Tinha que rever muita coisa, sem fugir de nenhum debate, até dos mais sensíveis sobre o perfil físico/étnico dos jogadores que rendeu uma caça injusta ao Laurent Blanc então técnico da seleção.
Tem uma palavra que resume o caminho adotado nesse momento: PRAGMATISMO. Não é a toa que o 1° adjetivo que vem a mente para definir o Deschamps é pragmático.

Por definição, o pragmatismo é a capacidade de se adaptar a realidade e suas restrições, limitações. Ou seja, se adaptar as exigências do futebol moderno.

A única saída para a França, cujo campeonato não tem o poder económico dos vizinhos europeus (em grande parte porque se paga os devidos impostos a sociedade, quando os outros outorgam vantagens absurdas para os ricos boleiros), era formar jogadores. Os clubes investiram, a Federação apoiou, capacitou educadores, técnicos, e hoje o pais é o mais representado na Champions League e na Copa do Mundo, mostrando uma capacidade de formar aliando qualidade e quantidade.

Dentro de campo também a palavra-chave foi pragmatismo. Vale lembrar a vitoria sobre Alemanha na semi da Euro 2016, com pouquíssima posse de bola. Pode não ser envolvente mas é coerente. E essa coerência tem fortalecido o elenco, que mostrou carácter e capacidade de reação quando ficou abaixo no placar contra Argentina.

Não sei se o pragmatismo será suficiente para manter a França no topo durante os próximos 20 anos mas uma vitoria domingo seria uma bela recompensa do trabalho realizado.